@há Há 3 semanas com 20993 notas

(Fonte: andrewbreitel, via breakinq)

@há Há 3 semanas com 187703 notas

(Fonte: kayenicolee)

@há Há 4 semanas com 65 notas

(Fonte: al3con, via breakinq)

@há Há 4 semanas com 658207 notas
@há Há 1 mês com 257569 notas
@há Há 1 mês com 3447 notas

(Fonte: ilusion--s, via cerulean-tmp)

@há Há 1 mês com 121 notas

(Fonte: nayanrivera, via lovatolikestar)

@há Há 1 mês com 3676 notas
manvanced:

Tweet me http://twitter.com/MrLXC
@há Há 3 semanas com 138 notas
breakinq:

vertical/personal

breakinq:

vertical/personal

(Fonte: coast10clothing)

@há Há 3 semanas com 212844 notas
overbears:

overbears:

(Fonte: echoos)

@há Há 4 semanas com 15984 notas
@há Há 1 mês com 5713 notas
sextnoise:

following back tons!

sextnoise:

following back tons!

(Fonte: woodlvnds, via breakinq)

@há Há 1 mês com 122532 notas

A Inglaterra é um país pequeno, e nem sempre houve espaço para enterrar todos os mortos. Então, os caixões eram abertos, os ossos tirados e encaminhados ao ossuário, e o túmulo era utilizado para outro defunto. Às vezes, ao abrir os caixões, percebiam que havia arranhões nas tampas, do lado de dentro, o que indicava que aquele morto, na verdade, tinha sido enterrado vivo. Assim, surgiu a ideia de, ao fechar os caixões, amarrar uma tira no pulso do defunto, tira essa que passava por um buraco no caixão e ficava amarrada num sino. Após o enterro, alguém ficava de plantão ao lado do túmulo durante uns dias. Se o indivíduo acordasse, o movimento do braço faria o sino tocar. Assim, ele seria “saved by the bell”, ou “salvo pelo gongo”, como usamos hoje.

(Fonte: A-NERD-GIRL, via dentadura-de-morango)

@há Há 1 mês com 13026 notas

(via minuty)

@há Há 1 mês com 113557 notas